Como Investir

Acesso ao Mercado: Como investir em cotas de Fundos de Investimento?

Antes de responder a esta pergunta, é importante relembrar o conceito de fundos abertos e fundos fechados.

Os fundos abertos são definidos como aqueles em que os cotistas podem solicitar o resgate de suas cotas a qualquer tempo. Na prática, nos fundos abertos é permitida a entrada de novos cotistas ou o aumento da participação dos antigos por meio de novos investimentos, assim como é permitida a saída de cotistas, por meio de resgates de cotas. Entretanto, é importante lembrar que o administrador pode suspender, a qualquer momento, novas aplicações no fundo, desde que tal suspensão se aplique indistintamente a novos investidores e cotistas atuais, de modo a não permitir mais a entrada de novos cotistas ou o aumento da participação dos atuais.

Além disso, o administrador poderá declarar o fechamento do fundo para a realização de resgates, em casos excepcionais de iliquidez dos ativos financeiros componentes da carteira do fundo, inclusive em decorrência de pedidos de resgates incompatíveis com a liquidez existente, ou que possam implicar alteração do tratamento tributário do fundo ou do conjunto dos cotistas, em prejuízo destes últimos, , sendo obrigatória a convocação de Assembleia Geral Extraordinária, nas condições estabelecidas na regulamentação. 

Fundos fechados, por outro lado, são aqueles em que as cotas somente são resgatadas ao término do prazo de duração do Fundo. Neste caso, as cotas poderão ser negociadas em mercado secundário. Após o período de captação de recursos pelo fundo, não são admitidos novos cotistas nem novos investimentos pelos antigos cotistas (embora possam ser abertas novas fases de investimento, conhecidas no mercado como "rodadas de investimento"). Além disso, também não é admitido o resgate de cotas por decisão do cotista, que tem que vender suas cotas a terceiros se quiser receber o seu valor antes do encerramento do fundo.

Dessa forma, para adquirir cotas de um fundo de investimento fechado, o investidor terá que percorrer, de forma geral, os mesmos caminhos utilizados na aquisição de outros valores mobiliários no mercado, conforme comentado no título “Funcionamento do mercado” deste Menu do Investidor. Assim, o investidor terá que ser cadastrado em uma corretora, ou distribuidora, habilitada a operar nos sistemas administrados de bolsa ou balcão e seguir todos os procedimentos do mercado. Poderá, então, adquirir as cotas tanto nas ofertas públicas quanto no mercado secundário, caso as cotas sejam admitidas à negociação.

Nesses casos, é importante registrar que, além das taxas e custos inerentes à indústria de fundos, como a taxa de administração, o investidor incorrerá também nos custos de negociação, liquidação e custódia cobrados no mercado.

No caso dos fundos abertos, uma vez que as cotas podem ser adquiridas e resgatadas a pedido do investidor, consideradas algumas exceções com respeito a carências e tempo de duração do fundo, se determinados ou indeterminados, todo o processo de aquisição e resgate se dá diretamente com os administradores dos fundos ou seus distribuidores. Na maior parte dos casos, essas negociações ocorrem diretamente com os gerentes dos bancos, que geralmente têm uma carteira diversificada de fundos para oferecer aos clientes. Nessa hipótese, os investidores não têm custos na transação, estando sujeitos apenas às taxas do fundo em que optar por fazer o investimento.

Antes de adquirir as cotas de um fundo, certifique-se de que o produto atende aos seus objetivos, perfil de risco e horizonte de tempo. Lembre-se sempre de ler o regulamento, o prospecto e a lâmina de informações essenciais do fundo.

A negociação de fundos abertos pode ser realizada também por intermédio de corretoras ou distribuidoras, o que não significa que o investidor está adquirindo as cotas em mercados de bolsa ou balcão, pois, nesse caso, essas instituições estão atuando apenas como distribuidores do administrador. De fato, tem surgido no mercado espécies de “shoppings” de fundos, o que facilita o acesso dos investidores a diferentes produtos de diferentes administradores. Mas, isso não significa que o investidor pode deixar de analisar todos os tópicos citados anteriormente.

Tipos de Fundo

Outro passo importante na aquisição de cotas de fundo é a decisão sobre o tipo de fundo a adquirir. É fundamental que a política de investimento do fundo esteja de acordo com os objetivos, o perfil de risco e o horizonte de tempo desejado do investidor. Os Fundos de Investimento classificam-se, como previstos na Instrução CVM nº409, de 18 de agosto de 2004, conforme a composição de suas carteiras, de acordo com o risco que será, em regra, assumido pelo gestor. São eles:

I – Fundo de Curto Prazo;
II – Fundo Referenciado;
III – Fundo de Renda Fixa;
IV – Fundo de Ações;
V – Fundo Cambial;
VI – Fundo de Dívida Externa; e
VII – Fundo Multimercado.

Uma descrição mais detalhada sobre os tipos de fundos pode ser lida no texto “Cotas de fundos de investimento”, em “Valores Mobiliários”, neste Menu do Investidor, como também na referida norma. 

Perguntas importantes antes de se decidir pela aplicação em Fundos de Investimento:

  • Qual a taxa de administração cobrada pelo Fundo? São cobradas outras taxas (performance, ingresso, saída)? Quais?
  • Onde e como posso obter o Prospecto e o Regulamento do Fundo?
  • Que tipo de informações tenho direito a receber sobre o Fundo?
  • Com que periodicidade vou receber informações?
  • Qual é o prazo de resgate?
  • Qual foi o desempenho desse Fundo até o momento?
  • Onde posso obter informações sobre seu desempenho?
  • Que posição ocupa em comparação a outros Fundos semelhantes, ou ainda em relação a um índice de mercado?
  • Que papéis compõem a carteira desse Fundo? Existem limites para a composição dessa carteira?
  • Com que frequência esses papéis são trocados?
  • Há, na composição da carteira desse Fundo, algum título ou valor mobiliário com alto grau de risco, como, por exemplo, derivativos? Ações sem liquidez? Empresas concordatárias?
  • Quais os riscos específicos de investimento nesse Fundo?
  • Qual a contribuição mínima inicial? E as subsequentes, têm algum limite?

Alguns cuidados devem ser observados no momento da adesão a um Fundo, ou durante o período em que o investidor dele participar, recomendando-se:

1) Escolher cuidadosamente o administrador do fundo e informar-se sobre o gestor da carteira, caso seja terceirizado;
2) Conhecer detalhadamente a política de investimentos adotada, a fim de escolher a alternativa que melhor atenda ao perfil de risco e retorno do investidor;
3) Verificar se as despesas cobradas pelo fundo justificam o desempenho apresentado;
4) Ler atentamente o prospecto e o regulamento do fundo escolhido, antes de ingressar no mesmo;
5) Acompanhar as informações fornecidas no extrato mensal do fundo.